sábado, 17 de setembro de 2011

I gotta feeling

Este é o vídeo criado pelos alunos da Faculdade, o qual o autor se refere no texto: Quando 4 vale 10.

video

Quando 4 vale 10

Tudo começou quando um professor apresentou um desafio aos alunos do último ano de comunicação em uma universidade de uma grande metrópole.

Sentindo dificuldade em lidar com seus jovens alunos que estavam sempre desmotivados e dispersos, o professor pesquisava incessantemente modos de inovar e resgatar o interesse da turma sobre sua matéria - Comunicação Social. Antes de propor o desafio, o professor procurou compartilhar suas dificuldades com outros professores e percebeu que não era o único passando por problemas na sala de aula.

Várias reclamações já estavam surgindo no conselho de ensino daquela instituição. Professores solicitavam que os alunos fossem proibidos de usar celulares e notebooks, pois nunca prestavam atenção na aula; ao contrário, estavam sempre em conversas virtuais ou em redes sociais.

Uma das dificuldades alegadas era a de manter o plano de aula, pois muitas vezes eram interrompidos por alunos que haviam pesquisado o tema da aula na internet e preferiam contestar o professor, em vez de deixar acontecer a exposição do tema como fora preparado. Quando um professor era um professor era um pouco mais enérgico e firme, quase imediatamente surgiam comunidades virtuais do tipo “Eu odeio o professor tal”, nas quais diversos alunos ridicularizavam a atitude dura do professor e atribuíam notas baixas ao mestre. Leia o texto completo.

domingo, 4 de setembro de 2011

Os desafios do professor frente à geração Z



Por Elizabeth Magno
Como concorrer com ferramentas como o smartphone, o computador e a Internet e suas inúmeras formas atrativas que encantam os jovens da geração Z (nascidos a partir de 1993)? Como captar a atenção desses jovens que nasceram e cresceram na era digital? Qual o desafio do professor em atrair essa geração acostumada com e-mail, twitter, facebook, blogs, google, etc, acostumados à informações e comunicações instantâneas?

Há uma reclamação recorrente por parte dos professores com relação ao uso do notebook em sala de aula, uma vez que os alunos se distraem e não prestam atenção à aula, ora, mas, essa geração é a geração da pluralidade, que consegue desenvolver várias tarefas ao mesmo tempo.

É comum durante as aulas o aluno fazer uma pesquisa, twittar, atualizar o mural do facebook, isso tudo ao mesmo tempo, enquanto assiste às aulas, mas quanto do conteúdo que é dado em sala pelo professor é realmente assimilado?

A grande vantagem da internet é o acesso fácil e a qualquer momento à informação, com isso os alunos acabam preterindo a fala do professor, ou melhor, a aula, pois sabem que podem num piscar de olhos fazer uma leitura sobre àquele assunto. A Internet estimula as inteligências múltiplas de diversas maneiras, mas talvez de forma superficial. Por exemplo: a leitura em profundidade foi substituída por posts. Para que o aluno precisa ler um livro sobre determinado assunto se o Google disponibiliza o resumo, se o Youtube oferece os mais fantásticos (e também os mais medíocres) vídeos dos mais diferentes assuntos?

O neurocientista Gary Small, pesquisador da Universidade da Califórnia (EUA), acredita que desde quando o homem primitivo aprendeu como usar uma ferramenta o cérebro não sofria um impacto tão grande e significativo como ocorreu com o uso da Internet.

Sabemos que o cérebro humano é uma estrutura que é movida a desafios e que se transforma com eles.

Segundo pesquisa recente os alunos de bons professores aprendem 68% mais do que os colegas orientados pelos piores docentes. Então o professor é quem faz a diferença. Apesar de todos os atrativos da Internet, em sala de aula um bom professor é o destaque.

E nesse sentido o papel do professor é fundamental em abastecer e alimentar os cérebros dos seus jovens alunos e ajudá-los a aprofundar o conhecimento, a fazer conexões, a transformar essa rede de informações em conhecimentos significativos.
Ou pode também proibir o aluno de usar o notebook e de acessar a Internet e usar em suas aulas apenas o Power point, para mostrar textos e mais textos, lendo-os em seguida, sem explicar ou contextualizar, sem instigar os alunos à participação.

Se afinal a geração Z está acostumada com atividades que envolvam oxigenação, inovação, criatividade. Como se relacionar com alunos que estão num nível digital, tecnológico diferente da do professor?

É necessário que o professor esteja motivado, busque qualificação permanente, conheça as características das novas gerações, os processos cognitivos de aprendizagem, as novas tecnologias e claro, interaja com elas.

Nesse sentido, somos todos aprendizes.

domingo, 19 de junho de 2011

Categoria unida, jamais será vencida!!

Continuamos em greve.
Na assembleia geral realizada no dia 17/06, aceitamos a proposta do Governo do Amapá, mas decidimos que a greve só acaba, depois que a revogação do Art. 3º da lei 1540 for enviada e votada pela Assembleia Legislativa, assim como, estudo visando construir uma nova proposta de regulamentação da data base para o ano de 2012.

Para quem não é da área, pode estar dizendo que somos intransigentes, mas infelizmente a categoria não confia nesse governo. Basta ler a Carta Compromisso que ele assumiu com os profissionais da Educação da rede Pública Estadual de Ensino, intitulada: “Por uma Educação Nota 10”.

O primeiro compromisso era a implementação do PISO SALARIAL PROFISSIONAL NACIONAL dos Profissionais do Magistério da Educação Básica. Cadê???? Promessa pra inglês ver.

Cadê os notebooks que o governo ia entregar para os professores???? Vai ver ele vai entregar no final do mandato, pra querer se reeleger. Ele deve achar que professor não tem memória, tem só uma vaga lembrança.

domingo, 31 de janeiro de 2010

Lições desse educador imortal


A ESCOLA – Paulo Freire
"Escola é...
o lugar onde se faz amigos
não se trata só de prédios, salas, quadros,programas, horários, conceitos...
Escola é, sobretudo, gente, gente que trabalha, que estuda, que se alegra, se conhece, se estima.
O diretor é gente,
O coordenador é gente, o professor é gente,
o aluno é gente,
cada funcionário é gente.
E a escola será cada vez melhor na medida em que cada um se comporte como colega, amigo, irmão.
Nada de ‘ilha cercada de gente por todos os lados’.
Nada de conviver com as pessoas e depois descobrir
que não tem amizade a ninguém nada de ser como o tijolo que forma a parede, indiferente, frio, só.
Importante na escola não é só estudar, não é só trabalhar, é também criar laços de amizade, é criar ambiente de camaradagem, é conviver, é se ‘amarrar nela’!
Ora , é lógico... numa escola assim vai ser fácil
estudar, trabalhar, crescer,
fazer amigos, educar-se,
ser feliz."

Trabalhar em equipe

video

O vídeo acima sintetiza a força do que é um trabalho em equipe, quando há sintonia, há sinergia e é sucesso garantido.

NEM TUDO É FÁCIL

Meus queridos futuros alunos, sejam-vindos a mais um ano letivo, que possamos estabelecer laços de amizade, construir conhecimento e compartilhar experiências. Contem comigo!!!


NEM TUDO É FÁCIL – Cecília Meireles
Nem tudo é fácilÉ difícil fazer alguém feliz, assim como é fácil fazer triste.
É difícil dizer eu te amo, assim como é fácil não dizer nada
É difícil valorizar um amor, assim como é fácil perdê-lo para sempre.
É difícil agradecer pelo dia de hoje, assim como é fácil viver mais um dia.
É difícil enxergar o que a vida traz de bom, assim como é fácil fechar os olhos e atravessar a rua. É difícil se convencer de que se é feliz, assim como é fácil achar que sempre falta algo.
É difícil fazer alguém sorrir, assim como é fácil fazer chorar.
É difícil colocar-se no lugar de alguém, assim como é fácil olhar para o próprio umbigo.
Se você errou, peça desculpas...
É difícil pedir perdão?
Mas quem disse que é fácil ser perdoado? Se alguém errou com você, perdoa-o...
É difícil perdoar?
Mas quem disse que é fácil se arrepender?
Se você sente algo, diga... É difícil se abrir?
Mas quem disse que é fácil encontrar alguém que queira escutar?
Se alguém reclama de você, ouça...
É difícil ouvir certas coisas?
Mas quem disse que é fácil ouvir você?
Se alguém te ama, ame-o...É difícil entregar-se?
Mas quem disse que é fácil ser feliz?
Nem tudo é fácil na vida...
Mas, com certeza, nada é impossível
Precisamos acreditar, ter fé e lutar para que não apenas sonhemos, mas também tornemos todos esses desejos, realidade!!!